A educação sexual que deveríamos ter tido

  • Por nua
  • 9 de maio, 2022

Já parou para pensar como a educação sexual tende a ser arcaica, falha, regada de tabus e preconceitos na nossa sociedade?

É essencial falarmos sobre educação sexual. Falar e aprender nos ajuda a nos prevenir e evitar situações indesejadas – e também a aproveitar muito melhor aquelas que são BEM desejadas.

Ignorância NUNCA é a solução, concordam?

Separamos umas dicas que gostaríamos que alguém tivesse nos contado há muito tempo atrás:

1. Conhecer o próprio corpo é fundamental! Ah, e usar um espelho (e se tocar) pode ser muito útil.

2. Masturbação é saudável! E não apenas faz bem para a saúde, como é uma ótima forma de conhecer o próprio corpo (alô, item 1!) e entender o que te dá prazer.

3. O número de parceiros sexuais não importa, sejam muitos, poucos, ou nenhum! Com a devida proteção, o que importa é fazer o que você tem vontade, no seu tempo.

4. Não tem problema algum não querer transar o tempo todo. Nunca se force a fazer algo que não queira ou que não esteja preparada.

5. Não é para o sexo ser doloroso e, SIM, p.r.a.z.e.r.o.s.o! Ah, e para todas as partes envolvidas, hein?!

6. Usar proteção é indispensável. Não importa se você tem um parceiro fixo, a proteção no sexo é indispensável não só para evitar a gravidez, mas também para se proteger contra ISTs.

7. Consentimento de todas as partes envolvidas também é indispensável! Só vale o que foi combinado. E, claro, não tem problema nenhum mudar de ideia no caminho.

8. Sexo sem penetração também é sexo! E quanto mais você e seu(s) parceiro(s) o explorarem, mais prazeroso tende a ser para todos os envolvidos.

9. Transar menstruada não é nojento e um ciclo saudável é indício de saúde. Chega de tabu!

Faça parte do nosso movimento!